2011 - 2012.

Pronto, então você está acabando! Já era hora! Obrigado por ter existido na minha vida, 2011. Com você aprendi muito, foi dolorido, porém essencial!
Revivi amores, concluí ciclos, perdi e fiz amizades, sonhei, caí...
Caí e levantei, mas agora deixo você ir...

UFA!!!

Agora sim estou pronto para receber o que de melhor o universo preparou em 2012. Me sinto muito merecedor dessas alegrias.

Que seu ano também seja MA-RA-VI-LHO-SO e principalmente, que sinta-se merecedor também!!

Que Deus Abençoe.

(...)

Te amo mesmo, talvez pra sempre. Mas nem por isso eu deixo de ser feliz ou viver minha vida. Foda-se esse amor. E foda-se você.

Tabela Internacional de Graduação de Macho.

1 - ESPORTES

a. Futebol, automobilismo, sinuca, truco, esportes radicais = MACHO
b. Boliche, golf, voleibol, polo = TENDÊNCIAS GAYS
c. Aeróbica, spinning = GAY
d. Patinação no Gelo, Ginástica Olímpica = BICHONA
e. Os mesmos anteriores, usando short de lycra = BICHONA LOUCA

2 - COMIDAS

a. Capivara, javali, comida muito apimentada = CONAN
b. Churrasco, Massas, Frituras = MACHO
c. Peixe e salada = FRESCO
d. Sanduíches integrais = GAY
e. Aves acompanhadas de vegetais cozidos no vapor = BICHA ASSUMIDA

3 - BEBIDAS

a. Cachaça, cerveja, whisky = MACHO
b. Vinho, vodka = HOMEM
c. Caipifruta = GAY
d. Suco de frutas normais e licores doces = MUITO GAY
e. Suco de açaí, carambola, cupuaçu, com adoçante = PERDIDAMENTE GAY

4 - HIGIENE

a. Toma banho rápido, usa sabão em barra = LEGIONÁRIO
b. Toma banho rápido, usa xampu e esquece das orelhas ou do pescoço = MACHO
c. Toma banho sem pressa e curte a água = HOMEM
d. Demora mais de meia hora e usa sabonete líquido = TENDÊNCIAS GAYS PREOCUPANTES
e. Toma banho com sais e espuma na banheira = VIADAÇO SEM CURA

5 - CERVEJA

a. Gelada e em grandes quantidades = DESTROÇADOR
b. Só cervejas extra, premium e importadas = HOMEM FINO DEMAIS
c. Só uma às vezes para matar a sede = BICHICE SOB CONTROLE
d. Com limão e guardanapo em volta do copo = BICHA
e. Sem álcool = GAZELA SALTITANTE

6 - PRESENTES QUE GOSTA DE GANHAR

a. Ferramentas = OGRO
b. Garrafa de whisky = MACHO
c. Eletrônicos, informática, roupas de homem = HOMEM MODERNO
d. Flores = VIADO
e. Velas aromáticas, perfumes,doces caramelados, bombons = DONZELA VIRGEM

7 - CREMES

a. Só creme dental = GORILA
b. Protetor solar só na praia e piscina = HOMEM MODERNO
c. Usa cremes no verão = BICHA FRESCA
d. Usa cremes o ano todo = BICHONA TOTAL
e. Não vive sem hidratante = CONSTA NA FILA DE ESPERA DA OPERAÇÃO PRA TROCA DE SEXO

8 - ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO

a. Só dinossauros = BRUTO
b. Tem um vira-lata que come restos da comida = HOMEM
c. Tem cão de raça que só vive dentro de casa e come ração especial = BICHA
d. O cão de raça dorme na sua própria cama = BICHONA TOTAL
e. Prefere gatos = TOTALMENTE PASSIVA

9 - PLANTAS

a. Nem pra comer = TROGLODITA
b. Come algumas de vez em quando = RAMBO
c. Tem umas no quintal, mas nem são regadas = HOMEM
d. Tem plantinhas na varanda do apartamento = VIADO
e. Rega, poda e conversa com as flores do jardim = BICHONA PERDIDA

10 – RELAÇÃO COM ESPELHO

a. Não usa = VIKING
b. Usa para fazer barba = MACHO
c. Admira sua pele e observa seus músculos = GAY
d. Idem c, e ainda analisa a bunda = LOUCA
e. Admira-se com diferentes camisas e penteados = TRAVECO

11 – CABELO

a. Não se penteia ou rapa tudo = SELVAGEM
b. Só se penteia pra sair à noite = HOMEM
c. Penteia-se várias vezes ao dia = FRESCO
d. Pinta o cabelo = BICHONA TOTAL
e. Dá conselhos de penteados = BELA ADORMECIDA

12 – CARROS

a. Maveco V8 = BRUTU´S (Come asfalto)
b. Opala 6cc = KONAN (Arranca asfalto com a unha)
c. Omega 6cc, Blazer 6cc, BMW 6cc = MACHO
d. Veronão 95 Reliquia, Gol, Vectra, Saveiro = HOMEM
e. Focus Sedan no GNV = BICHA FRESCA
f. Fiesta 1.0 , Celta, CrossFox = BICHINHA MODERNINHA
g. Peugeot 207, C3 e Ford KA = BO – NE – CA

13 – SATISFAÇÃO COM AS CLASSIFICAÇÕES ACIMA

a. Aqueles que estão morrendo de rir = MACHOS DE RESPEITO
b. Não acharam graça = BICHONAS
c. Não concordam = BICHINHAS REVOLTADAS
d. Lê e não comenta = FÃS DE RESTART

Cena Do Crime.

Pois é.
Resoluções de fim ano e o que você tem?
Existe a pessoa certa? Não, não existe.
Existe a pessoa errada? Claro, mas quem se importa?!!
Existe o final feliz? Cara, o ano só termina para que tudo possa começar novamente.
Acho que não preciso mencionar 2011, ele já está bem claro. Não foi um ano ruim, não. Tiveram coisas boas.
Estou amando ainda mais o meu trabalho, cuidando, quase me sentindo Florence Nightingale.
Só para que saiba, estou morando em Uberlandia agora. Então coloque junto nessa equação a vontade insana de terminar tudo e voltar para minha terra Goiana.
O apartamento dele era no centro da cidade. Lindo o lugar, mas não era da decoração que eu tinha receio, era de entrar no turbilhão de lembranças que só acontece quando se volta ao local do crime. Tudo estava meio igual, mas ao mesmo tempo estava fora do lugar.
Ele abriu a porta usando calça jeans, camisa xadrex, um cordão e bebendo um uísque. Praticamente um rockstar.
"Senta onde quiser, sobre o que quer conversar? Faz tempo que não nos falamos" - disse ele com a voz rouca.
Eu o analisava meticulosamente sem me preocupar com o que respondia. Esperava um bote ou alguma forma ilicita de pagamento pela informação.
"Hey... Leandro.... Onde você está?"
"Estou aqui, por que ta me perguntando isso?"
"Faz tempo que não nos falamos e nem nos encontramos e você está divagando na minha sala de estar. Não sei se tudo é uma surpresa ou se estou vendo tudo acontecendo de novo."
Ele soltou uma risada e pergunta se quero um drink.
"Como vai aquele trouxa que tanto te enganou?" - perguntou ele.
"Espero que realmente seja uma brincadeira essa sua pergunta."
"Diga, ainda se falam?"
"Não, e se quer saber nem mencionamos o nome um do outro."
"Que dureza! Mas se você voltou a falar comigo, porque não com ele?"
"Você quer a verdade?" - ele sorriu meio de deboche, assentindo. "Já nem sei mais. As vezes me esqueço que ele existiu, mas às vezes me bate uma besteira. Mais quando tudo está na merda. É como se ainda lembrasse da voz dele me acalmando. Ele me trazia paz. Agora é só lembrar dele que percebo que aquele cara que ia me visitar e me pegava na faculdade não existe mais. Aquele cara não existe mais. Hoje ele é feliz, com seu relacionamento novo e seus amigos novos. E eu... Bom, eu vou me achando. Sou um outro homem também. Mas é assustador de pensar o quanto já estamos distantes. Somos praticamente estranhos."
"Que bonito, você ainda o ama" - ele disse sem perder o tom do outro lado da sala.
"Não, não amo. Mas amei. E como todas as coisas do passado, fica aquele medo de que nunca mais volte a amar." - eu disse com a voz serena.

Silencio.

Já esqueci para que vim aqui. Pego minhas coisas e me preparo para sair.
"Eu podia ter te amado", ele quebra a pausa com suas palavras.
Por mais sincero que fosse não sabia o que ele esperava que eu respondesse. E de repente não é mais preciso. Ele me puxa pelo cós da calça e me beija com a fúria de quem mata uma sede. Sede dele, sede minha. Engolimos o desejo um ao outro e paramos cansados sem nos distanciar. Ele puxa um papel de dentro de uma agenda e coloca no meu bolso.
"Vai... Ah, ia esquecendo, voce esta ótimo!"
Eu devia ter ficado, mas não. Sai do prédio com a impressão de que o passado só serve para nos lembrar das coisas que deixamos para trás.
Verdade ou não, amor ou não, apenas uma coisa que em tudo isso era certa: não foi por falta de amor que as coisas ficaram do jeito que estão. Foi por não saber amar.

Que ano...

Fantasmas.

Arregacei as mangas, assustado. Quando ele veio ao meu encontro, atravessou o meu corpo. Quer dizer que agora sou fantasma? Ou ele é uma miragem? Dizem que fazer duas perguntas seguidas é sinal de insanidade mental.

E quem prova que uma pessoa realmente existe quando ela não está visível para você no momento? E quem prova que eu existo quando não estou sendo observado? Podemos muito bem ser pisca-piscas.

Infância.

Só conservo da infância aquilo que não se desprende.
O resto saiu com sabão.
E o que eu sou hoje, só sou recentemente.
A infância não é tudo isso que falam não.

Quero Entender.

Quero entender o que é isso de abraçar uma causa. Aprenderia com alegria. Gosto de abraços como gosto de cueca box. Tenho mania de apertar contra mim tudo o que vejo pela frente. Um desejo de sorver o mundo no meu tórax. Menos gente – de gente quero distância, tenho nojinho.

Não se é menino, torna-se menino; eu virei menino tentando tirar Luíz Gonzaga no violão.

A falta de sexo eu compenso estendendo roupa no varal.

Estou em obras. Desde que eu me dei por mim, há quase vinte anos, estou em obras constantes. Só não tiro a cueca porque estragaria a surpresa. Adianto que a transformação será esplêndida, mas não borboleta. Para ser borboleta eu precisaria tirar o penis. Não é a intenção no momento. Estou satisfeito por ser homem e ter meu penis no lugar.

Porque ainda sou criança.

Tem essa história de que crianças acreditam em monstros embaixo da cama, que vão trucidá-las se fecharem os olhos. Bom, eu acredito em monstros embaixo de sorrisos falsos e caras entediadas. Serve isso?

(Maria Rita)

Menininha.

Cedo ou tarde todo homem fica cara a cara com seu lado menininha.
Nada a ver com a sua vida sexual. Mas sim quando a vida desabrocha um viés diferente do que a gente tinha até então. Um dia você acorda e pá, o pôr-do-sol está mais bonito, as pessoas estão mais óbvias, e as músicas do Chico e Caetano Veloso fazem sentido.
Mas, claro, você fica na sua, pois corre um grande perigo de seus colegas de bar gritarem em sincronia: "menininha, menininha..."

Sem querer desmerecer você que tem menos de vinte e cinco anos, isso costuma acontecer quando se tem uma certa bagagem. No caso um currículo com alguma desilusão, um ou outro amor cafona e muitos momentos de alegria plena.

É a vida te dobrando. E você, que só chorava com perda de membro (da família ou do corpo), chora. E porque? Porque o filme era lindo, porque a música estava vibrante, ou porque aquele momento foi mais forte que qualquer barreira psicologicamente bem construída pudesse suportar.

ME-NI-NI-NHA.

Momentos menininha são bonitinhos, mas são um saco. Ainda mais para você, que não acha fofo nem filhote de coala. Mas acontece. E, pior, uma vez instalado o plug-in, volta e meia a gente clica duas vezes. Mas não tem nada de mal nisso, faz parte do viver.

Eis um ultimo fato: Só não vai me comprar uma fita vermelha pro cabelo!

Novo.

Fim de ano é sempre aquilo. A gente se entrega e quando volta, constata que tudo está como antes. As contas chegando e o marido gringo, que você jurava que ia laçar em jurerê, voltou sem te pagar nem uma caipirinha.
Fazer o quê? Acontece! Neste caso, há alguns anos (brincadeira).

Mas o importante é que o ano vai virar, e a esperança é a ultima que morre. E mesmo a gente sabendo que não passa de uma data, a palavra “novo” sempre enche a gente de um sentimento bom.

Um jeito novo de ver as coisas, de fazer as coisas. Como se cuidar mais, aproveitar melhor o dinheiro, dar importância as amizades (as que valem), preservar um tempinho maior pra família, que é complicada mas é coisa nossa.

E, por fim, amar. Sim, porque os casos vão vir e a gente, que não é de nadar na beirada, vai cair de cabeça. E se tudo der certo a gente vai viver fortes emoções, vai trepar de primeira, vai cantar sozinho e dividir uma peruana na lua cheia (suspiro).

E também vai chorar e sofrer, de preferência bem pouquinho, porque a vida sem um drama mexicano não tem a menor graça.

Se tudo isso vai acontecer? Claro que vai!
Porque vai virar o ano e tudo vai ser diferente... E deliciosamente igual!

Lutador.

Se o seu adversário é de temperamento irascível, procure irritá-lo. Finja estar fraco e ele se tornará arrogante. Se ele estiver tranquilo, não lhe dê sossego. Se suas forças estão unidas, separe-as. Ataque-o onde ele se mostrar despreparado, apareça quando não estiver sendo esperado.

Eis um ultimo fato: Será vencedor quem souber quando lutar e quando não lutar.

Acostuma-se.

A gente se acostuma a coisas demais, para não sofrer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta acolá. Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada, a gente molha só os pés e sua no resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito o que fazer a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem sempre sono atrasado.

A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele. Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se de faca e baioneta, para poupar o peito. A gente se acostuma para poupar a vida. Que aos poucos se gasta, e que, gasta de tanto acostumar, se perde de si mesmo.

21.

Chega uma etapa em que a vida se torna mais que apenas algumas noite de festas, risadas aleatórias e uma liberdade avulsa. Ainda fico feliz com os meus aniversários, mesmo sentindo o peso de cada ano. Há quem diga que sou muito jovem pra me importar com idade, mas só eu sei os dilemas dos meus vinte e poucos anos, e tudo o que isso me traz. Vinte e um anos e nenhum problema/resolvido, nenhuma carta escrita, nem recebida.

Quantas coisas mudam em um ano? Quantas pessoas entraram e sairam da minha vida? Dá um certo frio na barriga imaginar que tudo muda o tempo todo (e tanto). Tem hora que eu queria parar as mudanças, só um pouquinho, só o tempo suficiente pra eu me arrumar e me encontrar nessas minhas andanças. Mais vai dar certo.

via Primeira Pessoa do Singular

FATO!

Eu faço minhas coisas, e você faz as suas.
Eu não estou neste mundo para viver as suas expectativas.
E você não está neste mundo para viver as minhas.
Você é você, e eu sou eu.
E, se por acaso, nós nos encontrarmos, será ótimo.
Se não, nada se pode fazer.

(Frederick Perls - Oração da Gestalt)

Mulher.

Sou machão. Peludo. Gosto de gordura. Tomar cerveja e jogar um futebol nos finais de semana. Não tenho filhos porque tenho um problema no saco de nome esquisito. E minha melhor amiga com quem pretendo morar e envelhecer (Salve, Marina) não gosta muito de choro de criança. Dormir até tarde, ela gosta disso. Mas... Talvez a falta de um pirralho a deixe mais neurótica em outros detalhes. Todo mundo sabe: morar junto não é fácil. Sempre a mesma reclamação: a toalha molhada em cima da cama. Os respingos de urina na tampa da privada. O peido que eu soltei na hora do jantar vira motivo pra ficar-de-mal-durante-dois-dias. A data que eu a conhei eu já esqueci. Puta merda. Às vezes eu queria ser mulher. Pra entender minha amiga "mulher". Ter cabelo grande. Vestir saia. Passar batom. Menstruar. Ter um filho. Isso me faria pensar que mulheres são diferentes dos homens. No corpo e na alma. Elas estão mais "abertas" aos sentimentos. Carregam uma sensibilidade transbordante no olhar. Uma ferocidade inquebrável no coração. E uma doçura amarga no espírito. Eu não esconderia a dor da rejeição. A força brotante de uma lágrima que desliza com pressa depois de um dia ruim. Se eu fosse uma mulher teria muitas amigas que me dariam muitos conselhos, bons e ruins. Que traria muitas consequências na minha vida, boas e más. Falaria sobre homens, de maquiagem, de novela, de absorvente, de roupa, de sapato, de bolsa, de xampu, da primeira vez com o tio, com o pai, com o primo; de dor, de medo. Da primeira sensação que é ser Mulher. A mulher brasileira. A brasileira da bunda, do peito, do rosto, que brilha em Paris e samba no Rio. Que larga tudo. Casa-se, tem filhos, que luta, que ama, que apanha, que come, é comida, cuspida, rasgada e morta. Eu seria uma puta. Uma mãe. Uma estudante. Uma crente. Uma jogadora de futebol. Uma presidenta. Uma rainha. Por que não?

Sim, a mulher pode!

Eis um ultimo fato: Mas se eu fosse mesmo uma mulher, não teria amizade com um homem gordo e infértil, não teria raiva de choro de criança e de acordar de madrugada. Eu seria forte. Eu lutaria. E venceria. Eu seria a Super-Mulher. Eu seria...

Depende Da Posição.

Segundo estudos recentes....
parado, fortalece a coluna;
de cabeça para baixo, estimula a circulação do sangue;
de barriga para cima é mais prazeroso;
sozinho, é estimulante, mas egoísta;
em grupo, pode até ser divertido;
no banho pode ser arriscado;
no automóvel, é muito perigoso...
com frequência, desenvolve a imaginação;
entre duas pessoas, enriquece o conhecimento;
de joelhos, o resultado pode ser doloroso...

Enfim, sobre a mesa ou no escritório,
antes de comer ou depois da sobremesa,
sobre a cama ou na rede,
nus ou vestidos,
sobre o sofá ou no tapete,
com música ou em silêncio,
entre lençóis ou no "closet":
sempre é um ato de amor e de enriquecimento.

Não importa a idade, nem a crença,
nem o sexo, nem a posição...

Ler é sempre um prazer!

Eis um ultimo fato: Definitivamente, ler leva a desfrutar da imaginação... E você acabou de experimentar esse fato.

Escrevi.

Então – te escrevi duas vezes: a primeira saiu uma coisa sincera, mas lamentativa demais, um saco. A segunda saiu “madura e controlada”, mas extremamente falsa. Resolvi não mandar nenhuma delas. Não vale a pena falar sobre meus problemas – são muito meus, você não poderia me ajudar. Também não vale a pena fingir um equilíbrio que não tenho. A gente tem que descobrir maneiras – sejam quais forem – de ficarmos fortes.

(Caio F. Abreu)

Eu já desmaiei =(

Dizem que Isaac Newton compreendeu a força da gravidade quando uma maçã atingiu sua cabeça. Sei lá. Nunca fui fã de Física. Todavia, devo admitir que, ao desmaiar pela primeira vez, eu entendi perfeitamente como funciona essa tal força da gravidade, sobretudo quando meu rosto foi ferradamente atraído para o centro da Terra — é, por esse ímã maldito que tem lá. Definitivamente não é nada bom entender Física usando seu rosto como ponto de teste, batendo-o no chão, ainda mais quando o chão é de concreto. Enfim, meu pai não me contou sobre isso.

Científicamente falando, do ponto de vista da Física, foi lindo, maravilhoso, estuperfato, um magnífico exemplo da força gravitacional agindo sobre um corpo. Até foi mesmo. Mas, pessoalmente falando, foi um grande e enorme saco de estrume. Desmaiar não é nada bom. Alguns até acham engraçado, mas não é. É muito doloroso para quem desmaia, ainda mais para um macho tão forte e imponente como eu, que acreditava que desmaiar era coisa de moça.

O problema chave é a porra da pressao arterial. Se ela cair, a tendência é desmaiar, pelo menos se eu tiver que ficar sob sol intenso ou beber algo alcoólico. E pior que eu já desmaiei três vezes em minha curta vida! O porquê eu não sei.

Sabe, eu nem deveria mexer nesse meu passado, é uma coisa pior que outra. Hora eu sofro com problemas dentarios, hora eu pego medinho de vestiario, enfim, é uma coisa impressionante. Eu não sei se tenho sorte, ou se tenho azar. Sei lá, pelo menos ainda estou vivo.

E desmaiar, dentre todas minhas outras más experiências, é a pior sensação que senti. E se não for a pior, é uma das piores. É horrível. É um misto de frio, calor, medo e etc. Um cagaço, sei lá. É tão ruim que você quer morrer, mas não quer sentir aquela sensação. E não é exagero meu, não. É como se você estivesse sofrendo um tipo de choque, parece estar morrendo mesmo. Dá um medo infernal.

Quando você desmaia é como se você estivesse dormindo. Sono bom até, demais da conta , você chega até a sonhar alguma coisa qualquer, isso até começar a doer. Doer pacas. Todavia, pior mesmo não é a dor, mas sim quando o sangue começa a circular normalmente. É uma sensação péssima, dá tontura, você fica meio perdido, dói a barriga, dói a cabeça. Sem contar o ego. What? Eu desmaiei? Você nem acredita na hora. Dói o ego. ¬¬

Sério, não queira desmaiar nunca. Jamais. Use todo seu poder jedi, mas não desmaie. É uma sensação maldita. Contudo, por incível que pareça, descobri que há pessoas que são viciadas na sensação do desmaio, sendo que até provocam o desmaio. Sim, tem como provocar um desmaio. Se você quiser, por exemplo, pode desmaiar agora mesmo. Só queira se previnir primeiro, pois senão você poderá bater sua cabeça no chão, daí já viu… Pode acabar ficando como eu, o que realmente não seria um bom sinal! :D
Eis um ultimo fato: Caso você não consiga ler esta imagem, clique nela para ampliar ;)

Se...

E se você tivesse só essa chance de se apaixonar?
Aquela sensação de satisfação que não acaba e que a fonte propulsora é ridiculamente limitada. Todas as tardes que apagam instantaneamente as tardes anteriores.

E se você pudesse escolher só uma vez o caminho a seguir?
Todo esforço de fazer uma missão como fazer ele sorrir ser completada, independente das concessões?

E se fosse a última noite da sua vida de solteiro?
E dependesse da sua disponibilidade para o perigo, o desconhecido e o imprevisível para que tudo desse certo. Mesmo que esse tudo seja ser o namorado dele. Com as imperfeições, os detalhes e as limitações. Por um tempo que você não sabe.
Você tentaria?

Vida Loka.

Firmeza total, mais um ano se passando ae, graças a Deus agente tá com saúde aê, morô, com certeza muita coletividade na quebrada, dinheiro no bolso, sem miséria.
É nóis, vamo brindar o dia de hoje porque o amanhã só pertence a Deus...

(Racionais Mc's)

Ressaca de fim de ano.

Todo fim de ano é batata. A ressaca chega e a gente fica meio sem saco pra certas coisas. Como gente grossa, situações micos, ou aquele evento mala, que você devia ter ido.

E nessa fase, sobra até pros amigos mais mimados, daquele tipo que é cheio de vontades, sabe? Dor na consciência? Nenhuma... Eles sabem que não são fáceis... Agora descobriram que você também não é.

Quando estou em fases assim, fico de poucas palavras e poucos ouvidos. O que não significa me fechar num quarto escuro ouvindo Indie Rock. Afinal, sem saco não significa sem bom gosto.

Se você estiver numa fase assim, melhor relaxar, se cercar de coisas boas e esperar passar. Logo a vida volta a normal sem que você precise se aborrecer ou levantar a voz.

Até porque, estar sem saco não significa destilar grosseria. E se você é dos meus, já sabe que perder a tolerância é permitido, mas perder a classe, jamais. O negócio é que esta chegando o natal e tudo vai se renovar, pra melhor, claro!

Quando se deixa as compras de Natal na última hora cabe atentar a certas regras. Preparado? Vem comigo:

- Nessa época a finesse vai pras picas. Se prepare para ver velhinhas roubando sua vaga, furando fila e te empurrando na loja.
- E shopping popular é melhor que chique. O motivo? Os primeiros são preparados para o volume (de carro, gente, vendas) os chiques não. ( E quando sua cidade só possui um shopping?)
- As lojas se enchem de vendedores extras, também conhecidos como saco-de-velho (ficam para lá e para cá sem saber direito o que fazer).
- Tudo acaba e, o que tem, não tem no seu número. Creio que se você precisasse de roupas nesta época, ficaria pelado.
- Por fim, não sofra. Vai as compras? Leve na carteira meio comprimidinho de Fluoxetina que tudo vai ficar muito, muito mais divertido.

Eis um ultimo fato: Se amanhã não for nada disso, caberá só a mim esquecer.

Sobre Erros e Buda.

Daí que tava contando pra uma amiga de trampo sobre as sucessivas merdas que ando fazendo na vida, assim mesmo, no plural, porque são muuuuuitas, e ela me soltou: olha, os Budas dizem que aqui se faz, aqui se paga.

Fiquei passado. Primeiro pela sinceridade. Segundo, porque eu realmente acredito nisso, saca?

Fazer merda faz parte do ser humano. Eu faço, tu fazes, ele faz, nós fazemos, vós fazeis e eles fazem. Mas quando a coisa começa virar crônica, ou você tomou laxante, ou realmente há algo de podre no reino da Dinamarca.

E eu to tão noiádo que me cheirei depois de escrever isso. E graças a Deus senti meu Polo. Enfim, quem diz que reconhecer os erros é meio caminho andado, tá enganado. Infelizmente, isso só não basta.

Por isso, se voce andou aprontando mais do que devia e está com a consciência lá no inferno, como eu, melhor se mover. O caminho é longo e, pode acreditar, os Budas não brincam em serviço.

Eis um ultimo fato: Esse que vos escreve irá tirar uns day's off pra tal missão. Mais isso só no final de semana, e nem me pergunte como! (6)

Perdão?

O perdão existe em primeiro lugar para aquele que perdoa, para liberá-lo de algo que vai destruí-lo, que vai acabar com a sua alegria e capacidade de amar integral e abertamente. Ao fazê-lo, irá liberar o outro de um fardo que ele carrega, QUER ELE SAIBA OU NÃO, QUER ELE RECONHEÇA OU NÃO. Quando você opta por perdoar o outro, você o ama melhor. Perdoar não é esquecer. O perdão não cria um relacionamento. A não ser que as pessoas falem a verdade sobre o que fizeram e mudem a mente e o comportamento, não é possível um relacionamento de confiança. Quando você perdoa alguém, certamente libera essa pessoa do julgamento, mas, se não houver uma verdadeira mudança, não pode ser estabelecido nenhum relacionamento verdadeiro. O perdão não exige de modo algum que você confie naquele a quem perdoou. Mas, caso essa pessoa finalmente confesse e se arrependa, você descobrirá em seu coração um milagre que irá lhe permitir estender a mão e começar a construir uma ponte de reconcilhação entre os dois. Algumas vezes, e isso talvez pareça incompreensível para você agora, essa estrada pode até mesmo levar ao milagre da confiança totalmente restaurada.

(A Cabana - William P. Youn)

Felicidade.

Volta e meia a gente ouve que tal pessoa era feliz e não sabia. E fica pensando na coitadinha, descrente da própria felicidade. Mas e você, já foi no espelho se perguntar se é feliz? Porque a gente, urbanóide, jura de pé junto que a vida tá uma bosta.

Mas não seria isso supervalorizar este nosso lado pobrezinho de mim? Tudo bem. Tempo falta, dinheiro falta, sinceridade falta, fazer amor de madrugada em cima da pia e embaixo da escada, falta. E problema? Este sobra.

Mas vai dizer que você não tem orgulho de chegar em casa, jogar o tênis para um lado, o corpo para o outro, exausto sim, mas ciente de ser dono do próprio destino? Que se chegou até aqui, chega onde quiser?

Isso não é felicidade? Preguiça de quem acha a grama do vizinho sempre mais verde!

Porque a felicidade, às vezes, pode estar bem pertinho. Só que a gente, no carão, não olha pro lado para perceber. Felicidade é bem mais simples do que a gente pensa. Ver graça na vida. Acreditar no maravilhoso.

O que não significa que a gente seja idiota. Peralá, alguns anos de praia. O que rola é que, tão importante quando sonhar, é sonhar sem jamais perder a capacidade de assombro. Porque no balanço das horas pode não acontecer nada. Ou acontecer tudo.

Café Com Proposta.

[Fim de tarde numa cafeteria ráipe qualquer da cidade.]

- Oi, um expresso com um pouco de leite por favor.

- Macchiato, doppio ou solo?

- Não querida! É um expresso com leite mesmo.

- Foi o que eu disse senhor, Macchiato.

- Se isso é um expresso com leite, então ok.

- Doppio ou solo?

- (???) Como assim? É um cafezinho com leite pow!

- Sê-nhôr preciso saber se é doppio ou solo!

- [tenso] Normalzinho, pode ser?

- Solo então! Pavarotti acompanha?

- … Faz assim bambina, cê me cancela isso tutti que eu vou ali na padoca tomar meu cafezinho com leite… Ahh, faz favor, no culo que é bom não vai nada!?

Músicas que engordam e boas lembranças.

Engordei. Acho que é de tanto ouvir LCD Soundsystem. Percebi que algumas bandas provocam efeitos fisiológicos na gente. É ouvir Sonic Youth para queimar neurônios, The Smiths para se afeminar e Green Day para ficar com cecê. Um amigo da Marina mudou de sexo depois de tanto ouvir Hanson.

Nunca me lembro da data que comecei a minha parceria com a Marina. Isso faz de mim o homem da relação. Mais importante do que se lembrar de datas é se lembrar dos momentos bons que passamos juntos, tais como nossas viagens (quarta mensagem subliminar do dia) e aventuras em cachoeiras proibidas. Nossos netos não vão se prender a datas, mas nessas histórias. O que interessa é saber como estavam as nuvens no dia em que nos conhecemos, a bebida que pedimos no restaurante e o nome que demos ao garçom. Se aconteceu em outubro de 2008 ou em julho de 1945, não importa. Datas são estratégias de marketing para vender absorventes.

Estou com uma juba selvagem e uma barba de Abraão. As pessoas já estão me olhando como se eu fosse sindicalista. Não existe nada pior no mundo do que a imagem de um revolucionário, mas que preguiça de me manter aparado!

The End.

Bom, tamos aí novamente.
Após centenas de cigarros (sim, voltei a fumar), bom humor fenomenal, reencontro e viagem marcante, acho que as coisas voltaram aos conformes, ou seja, correria, amigos, cuidar do corpo, beber e ... (Ok, prometi não dizer nada aqui).

Agora que dei um tapa na cara da realidade e voltei pra Uber, me sinto meio deprê, e com isso percebi várias coisas.
Primeiro, que as pessoas tendem a ficar meio dramáticas com você. Tirando os amigos, que falam na sua cara "Você tá um saco!" e pronto, o resto te trata como um Down. O que é um exagero. Afinal, tudo o que você quer é ficar na sua.

Daí ficam te falando que a vida é assim mesmo (boring), que tem altos e baixos (boring-reloaded) e que um psicóloga poderia me ajudar (boring-revolutions). Ah, fala sério! Tenho lugar mais bacana pra investir meu dinheiro. E te digo, nada como uma Brahma pra mudar meu astral.

Nesse período negro, cê também pode aproveitar pra fazer tudo que não fazia por ser um cara bom. Tipo mandar aquela pessoa querida ir tomar no cu (bem baixinho, só pra ele ouvir), ou dizer o que pensa sobre gente esnobe (bem alto, pra todo mundo ouvir). Afinal, estar deprimido é um álibi tão forte quanto ter nascido pobre e poder sair matando todo mundo por aí por causa disso. Pronto, falei!

A real é que uma deprê é um paradoxo. Pois ela existe, mais também é fruto da sua mente. Portanto, atenção rapaz: curtir uma deprezinha é válido (se estiver friozinho é até tendência) mais cabe a você por um ponto final.

Afinal, viver em standby com a galera que nos cerca é mais ou menos assim: enquanto cê tá indo, todo mundo tá voltando... E junto com eles levando seu... (droga, prometi nao falar), seu emprego, seus amigos e o que resta da sua dignidade.

Eis um ultimo fato: Let's move it along. You can find me, if you ever want again.

Felicidade?

Disse o mais tolo: "Felicidade não existe."
O intelectual: "Não no sentido lato."
O empresário: "Desde que haja lucro."
O operário: "Sem emprego, nem pensar!"
O cientista: "Ainda será descoberta."
O místico: "Está escrito nas estrelas."
O político: "Poder"
A igreja: "Sem tristeza? Impossível... (Amém)"

O poeta riu de todos,
E por alguns minutos...
Foi feliz!

(O Teatro Magico)

Pré-Ocupação.

Ontem por incrível que pareça todos os lugares que pisei eu te procurei. Teus rastros ficaram por lá. O balançar de teus cabelos e esse teu jeito meio atacado de ser. Fiquei feliz em poder sentir tua falta, - a falta mostra o quão necessitamos de algo/alguém. É assim o nosso ciclo. Eu te preciso. Perto, longe, tanto faz. Preciso saber que tu está bem, se respira, se comeu ou tomou banho - com o frio que está fazendo neste inverno, tome pelo menos uns três copos d'agua ao dia para não se resfriar, e pense em mim, estou com frio também. Me faz bem pensar nessas atividades corriqueiras, que supostamente você está fazendo. Ah, e eu estou te esperando, com meu jeans branco, óculos escuros e coração pulsando forte; e te abraçar até sentir o mundo girar apenas para nós. É, eu gosto muito de ti.

(Caio F.)

És tu.

Sim, sinto uns batimentos estranhos, aqui, bem dentro de mim. Não sei se de uma arritmia se trata. Não sei. Antes soubesse. Antes soubesse que quem bate cá por dentro és tu. (És tu?) Que não é o coração, que não é o desespero do estômago vazio, que não é a tensão arterial ao rubro. Mas a que porta me estão a bater? Na porta da razão, não! Nessa não, por favor. Tranquem-na! Tranquem-na a sete chaves! Que o cão de duas cabeças lhe faça guarda! Na porta do sentir? Talvez... Pode ser... Recebo sempre tantas visitas por aí! Na porta do coração? Não creio... Essa está permanentemente aberta. Alguém roubou a chave de uma porta sem fechadura, sem porta, sem chave. (Perceberam?) Na realidade, o coração não tem portas, não tem entradas, nem saídas institucionais. Muito menos de emergência. É o salve-se quem puder... Tem brechas, tem falhas, tem rupturas. E os habilidosos sabem! E como sabem! (E como o sabes, não é?) E eu pergunto-me, se este estremecimento que sinto, é o bater das portas arrombadas do meu ser, ao sabor do sentido proibido, ou se me estão a fechar as rupturas, a tapar as brechas... Do coração. (Chamaram a construção civil, e nada disseram?) Se me reparem as falhas destas minhas finas paredes... Só me resta colocar um letreiro a dizer: usado, mas nunca o suficiente como hoje!

Eis um ultimo fato: Tragam martelos, pregos e berbequins... Não gosto nada de paredes uniformes, por muito finas e frágeis que sejam ou pareçam. Se é para romper, quero que rache bem até ao fundo!

Mas voltando ao início, diz-me: és tu ou não, que me bates cá dentro?
Sim, és tu, és único e surpreendente.
És tu.

Efeito Animal.

Tava no trabalho indo pegar um café quando senti um cheiro animal. Comentei com uma colega, que fez cara de riso e disse baixinho - "Não comenta, você não sabe o que é isso?"

Então me apontou um canto onde um cara trabalhava tranquilamente. Fiquei olhando sem entender e ela completou - "Pois é, esse cara não usa desodorante porque acha que isso é coisa de viado."

Achei tão surreal que morri de rir. Mas o pior é quando soube que o Sr. Gambá era casado. E me perguntei - "Que mulher é essa que casa com um cara que fede assim?"

Imagina as partes onde não bate sol?

E no almoço, enquanto dava um role pela city, comprei um desodorante pra macho (avanço), fiz uma embalagem pra macho (de jornal) e deixei na mesa do macho com um bilhete: Use-me!

Afinal, trabalhar com um brucutu em pleno século 21 até vai, mas aguentar aquele cheiro dele, é ruim hein?

Tenso, heim?!

Quando estamos bem, a gente se enche de boas intenções e quer perdoar tudo que nos entristeceu no passado.
Uma pessoa que você gostava muito e que inventou uma desculpa esdrúxula pra não ir ao seu aniversário. Ou aquele que entrou na sua casa e roubou algo seu por achar que você merecia uma lição (?). Ou aquela pessoa que não te tratou legal quando você estava pra baixo...
Coisas bestas. Mas que calaram fundo e que dentro dos seus códigos morais não se faz. E que você devia perdoar. Mas não vai. Pois se esses que feriram você não são perfeitos, você também não o é. E ponto.
E dentro da nossa imperfeição humana, só de não dar o troco que essas pessoas merecem, já está de bom tamanho. Mas atenção, nada de levar seu ódio por aí feito mochila. Odiar envelhece. Deve-se apenas esquecer.
Até porque, se tem alguma coisa que eu acredito, é que as pessoas no momento em que decidem fazer algo pra chatear as outras, abrem mão de aprender alguma coisa sobre o que é ser humano... Coisa que a vida (e não nós) cedo ou tarde vai cobrar e ensinar.

...não solta da minha mão.

Você colocou sua mão na minha. Eu estava tremendo por dentro, mas queria ficar sentado com você e deixar todo o mundo para trás.
Gosto da voz rouca de bom dia, o toque das mãos escondido no elevador, dos joelhos juntos por baixo da mesa, do beijo sem pressa, das horas de conversa sem olhar o celular. Gosto de saber planos inconfessáveis, manias solitárias e de uma bobagem qualquer que me faça rir sem maneirar o tom. Gosto de sair feliz nos dias cinzas, de caprichar na roupa em plena terça...

Almoçando sozinho sem drama.

Tem gente que tem horror de almoçar sozinho. Claro que almoçar uma salada sem graça conversando com alguém bom de papo é bem menos doloroso. Mas você há de concordar que existem dias onde o ditado 'antes só que mal acompanhado' faz todo o sentido. Esse dia, pra mim, converge nas quintas, quando acontece o fenômeno análise.

Sim, todos os meus amigos fazem análise nesse dia da semana (mesmo que bebendo depois da faculdade em algum lugar), não me pergunte por que! E como eu não faço, além de ser menos resolvido ainda fico sem companhia para dividir uma boa macarronada. É aí que surgem os convites para os almoços de empresa: aqueles com mesas de vinte pessoas onde o papo gira 100% em torno do trabalho. Juro que eu tento, tento, mas não consigo ir.

Já cheguei a combinar várias vezes. Mas no meio do caminho uma força maior me guia pra outro lugar. Onde como solitariamente, porém feliz. O efeito colateral é você passar ser visto como um tipo de abandonado do meio-dia. Mas você por acaso quer ser deputado? Pois nem eu!

Mas almoçar sozinho pede certos cuidados. comprar uma revista legal é básico. Se for no Mercado Municipal, compra duas, porque demora que é uma beleza. Levar uns óculos escuros pra dar o ar misterioso e fumar um cigarrinho, também dá. Mas como parei com a nicotina, pulo essa dica.

Por isso não tenha medo, se não tiver companhia, encha-se de confiança e vá almoçar sozinho sim senhor. Afinal, se você não tiver paciência de almoçar na companhia de você mesmo, quem terá?

Eis um ultimo fato: Na falta de alguém pra te passar o sal, a gente usa a pimenta mesmo.

Pra Ser Sincero.

Pra ser sincero eu não espero de você
Mais do que educação,
Beijo sem paixão,
Crime sem castigo,
Aperto de mãos,
Apenas bons amigos...

Pra ser sincero eu não espero que você
Minta
Não se sinta capaz de enganar
Quem não engana a si mesmo

Nós dois temos os mesmos defeitos
Sabemos tudo a nosso respeito
Somos suspeitos de um crime perfeito,
Mas crimes perfeitos não deixam suspeitos.

Pra ser sincero eu não espero de você
Mais do que educação,
Beijo sem paixão,
Crimes sem castigo,
Aperto de mãos,
Apenas bons amigos...

Pra ser sincero não espero que você
Me perdoe
Por ter perdido a calma
Por ter vendido a alma ao diabo

Um dia desses
Num desses encontros casuais
Talvez a gente se encontre
Talvez a gente encontre explicação

Um dia desses
Num desses encontros casuais
Talvez eu diga, minha amiga,
Pra ser sincero, prazer em vê-la
Até mais...

Nós dois temos os mesmos defeitos
Sabemos tudo a nosso respeito
Somos suspeitos de um crime perfeito
Mas crimes perfeitos não deixam suspeitos.

(Engenheiros do Hawaii)

Vencendo o medo do vestiário.

Você entra no recinto. De um lado, um gordinho peludo desfila pelado. Do outro, um hedonista faz o lânguido. Ao fundo, um gay tenta olhar seu pinto. E você pensa: estarei eu num pesadelo ou numa peça do Zé Celso Martinez Corrêa?

Nenhum dos dois colega, provavelmente você estará adentrando em mais um estranho e complexo estabelecimento que faz parte da nossa vida adulta: o vestiário da academia. Sair correndo? Nem pensar, você venceu desafios maiores que esse (tipo exame médico do serviço militar), então chegou a hora de você vencer mais esse.

Pra começo de conversa, ignore os exibicionistas. Num lugar onde hedonismo é dogma é normal encontrar gente errada que se acha linda, mas parece uma obra do Francis Bacon. Evite olhar e fique na sua. Se for chorar de nervoso se tranque no banheiro.

Não estranhe se alguém pedir seu desodorante, hidratante e tals. Desde do advento do metrosexual, pedir emprestado pro colega pode. Já ficar em pleno vestiário discutindo qual a melhor marca, é demais. Controle-se.

Gays e academia é tipo all-star e roqueiro indie. Um não vive sem o outro. Se você desconfia que aquele cara de shortinho agarrado quer divir muito mais que o supino com você, use o espelho. Se você for bonitinho, capaz de você estar certo. Se você for feio, relaxa que ele está apenas sendo simpático.

Por fim, não tenha vergonha de tirar a roupa na frente daquele bando de fortões só porque você não tem um corpo de Adonis. Até porque, como disse o Simão, de que adianta uma barriga tanquinho se a torneira é pequena?

Eis um ultimo fato: Se cair o sabonete, deixa...

Porque a gente é assim?

Dirigindo num sábado à noite a gente canta alto que 'a noite nunca tem fim, porque que a gente é assim?' Mas a noite acaba sim. O fato é que numa cidade que não pára nunca como Uber, tem sempre outra festa rolando. Ou um chill-out. Ou um churrasco. Ou um petit comitê (que é uma festinha de gente fina). E a gente, que tá na pilha, vai.

E quando vê, tá dançando ao nascer do sol na piscina da casa de alguém, tomando José Cuervo ao invés de café da manhã. E como você chegou ali de pára quedas, também brinca de adivinhar quem é o dono da festa.

Não que a gente goste de ficar sem dormir. A questão é que melhor que dormir é beijar. E quando a gente está beijando uma pessoa que acabou de conhecer e quando ela quer ir pra outro lugar (festa, comício, jogo do Paysandu), sim, a gente vai. E nem reclama que tá com fome, ou que só tem gente muita estranha no local, nem de nada.

E quando o dia ameaça acabar e você tá até a tampa de Tequila, droguinhas leves (HAHA mentira!), muito beijo na boca e com a cara do Zé Serra, vai embora achando que o dia podia ter mais que 24 horas. Ou que você podia ter sido mais interessante. Ou que essa historinha poderia ser algo a mais que uma noite. E um monte de outros poréns, que no fim das contas vão ser esquecidos assim que você deitar a cabeça do travesseiro.

Mas fazer o que se a gente é assim?

Eis um ultimo fato: Quem disse que a mistura está no sangue do Brasileiro não era cientista. Era barman!

Bumerangue Emocional.

Tem gente que bebe, tem gente que usa droga, tem gente que faz sexo. E assim como existem os que passam dos limites na bebida e nas drogas, essa tendência anda se confirmando também no sexo.

Entre os amigos solteiros se tornou comum as historias de sexo fácil, rápido e promíscuo, intercaladas entre saídas que começam a partir de quarta e acabam só na segunda. Enfim, coisas da noite.

Veja bem, sou do tipo que acha sexo igual ao cinema francês, ou seja, mesmo quando é ruim, é bom. Só acho que banalizar algo que, bem ou mal, está ligado a emoções tão a flor da pele, tem seu trunfo pobre.

Quando se é jovem, bonito, loiro e japinha, é natural descontar frustrações de uma nada-fácil vida, lapidando o ego com conquistas baratas e sexo a rodo. O foda é acordar no outro dia e ver tudo igual, ou pior. E colega, quando se está fragilizado, esse bumerangue emocional faz cada estrago...

Há quem consiga conviver bem com esse dilema, entrar num chuveiro quente e deixar tudo ir pelo ralo. Já outros, levam de acessório para o trabalho, almoço e faculdade, aquele vazio que tudo o que é feito sistematicamente dá. Até, claro, outra balada, outra alcova e mais uma noite de sexo fútil.

Acelerado.

Sim, você, enquanto jovem, lindo, loiro, forte, solteiro e saudável, não pretende ficar em casa numa sexta. E sai na noite com os amigos acelerados. A balada vira mega. E termina na manhã de sábado, com você num antro de pitboys, chamado Clube A.

Dia seguinte, programação seguinte. Uber city bombado com noite mais bombada ainda. Prevenido, você leva o Ray Ban. E vê o dia nascer feliz, sentado na beira de uma piscina com belas companhias.

Esse é o saldo positivo do final de semana.

Mas, rememorando, esse final de semana é o mesmo dos últimos 8 anteriores. E você se pergunta se não está passando um pouco dos limites. E para pra pensar que essa rotina de fim de semana, o que tem de divertida, tem de perigosa.

Eis um ultimo fato: A verdade é que quando a gente acelera, nem sempre curte a paisagem.

Vida longa ao sexo.

Esse post é proibido para menores de 18 anos.

Não quero influenciar ninguém com minha tese "Vida longa ao sexo". Sim, admito: amo sexo. Não vivo sem. E tirando a Paula, não conheço ninguém que goste mais que eu.
E o Papa (que é um fofo) que me perdoe, mas também não pratico só para fins reprodutivos. Até porque, nem toda a ciência do mundo descobriu um jeito de fazer minha categoria reproduzir. E olha que não é por falta de tentativa.
Isso não é um desabafo sem fundamento. Ando cansado de ser chamado de galinha pelas pombinhas virgens de Calcutá. E mesmo com minha cara de pau (no sentido figurado, por favor) não consigo ficar menos passado quando ouço aquele papo que 'ah, só faço sexo com amor'. Fala sério!
Claro, poderia argumentar que estamos em pleno século 21 e tal, mas não tenho mais saco. Ou melhor, tenho. Por isso mesmo, não perco meu tempo com quem finge que não tem. E ao invés de gastar saliva, peço logo outra taça. E mudo o assunto. De preferência, com alguém que viva em 2011.
Portanto, cuidado comigo. Pois como diriam as pombinhas virgens, posso estar a sua espreita, esperando para te seduzir e levar para minha alcova.
Agora, se você é uma pombinha virgem, vale lembrar que o mundo tá mudando, viu. Tirando o Oriente Médio e afins, onde sua virgindade ainda é supervalorizada. E quando você casar, com algum saudita gordo e bigodudo, ele vai te comer e mostrar para família o lençol branco. Com todo o amor, é claro.

Tudo que vai, volta.

Havia uma época em que eu achava que você fazia tudo certo, nada de mentira, nada de erros, mais eu devia estar louco.
Então quando eu penso na época em que eu quase te amei, você mostrou que é um idiota e eu vi quem você era de verdade!
Graças a Deus que você estragou tudo. Graças a Deus eu me desviei da bala.
Já superei você, então, meu bem, é melhor cair fora!

Eu queria tanto ficar com você, mas não sinto mais isso. Porque, sério, você acabou sendo a melhor coisa que eu nunca tive, e eu sempre serei a melhor coisa que você sempre teve. (Aposto que é uma droga estar no seu lugar agora.)

É tão triste. Você está mal, você esperava que eu fosse me importar, mais você não merece as minhas lágrimas (acho que é por isso que elas não estão aqui).

Eu sei que você me quer de volta. Está na hora de encarar os fatos, pois foi eu quem fui embora.
Só Deus sabe que seria preciso outro lugar, outra época, outro mundo, outra vida...

Graças a Deus eu encontrei o bem indo embora.


(Kenny Edmonds, Antonio Dixon, Knowles, Patrick Smith, S. Taylor, Larry Griffin, Jr, Caleb McCampbell)

Dou Mole.

Maria vinha na quebrada. Celular na mão, bolsa no braço, Louboutin no pé e nada na cabeça. Tomou um pescotapa na esquina e ficou só com os sapatos (a única coisa realmente de valor). Mas podia ter evitado o susto se não tivesse dado mole.

Zeca morou fora. Caminhava pela rua como se caminhasse pelo Parque. Trombou numa bike e acabou caminhando mesmo pro hospital.

Lucão é cheio de razão, de ternos, de tiques nervosos e de pressa. Numas, meteu o pé na faixa antes de sinal abrir. Hoje, além de tudo o que ele já tem, também tem um gesso na perna.

Moral das história, o mundo está um caos, as cidades violentas e as pessoas cada vez mais malucas.
Se for pra dar mole que seja pra paquera da cidade vizinha, que mesmo perdendo você sai ganhando.

O Primeiro Pé.

O primeiro pé na bunda a gente nunca esquece. Bom, o último menos ainda… Mas o primeiro é aquele que vem com ares filosóficos, quando você realiza que não pode tudo.

Porque quando a gente é novo acha que pode tudo. E não pode. Pode bastante, mas não tudo. E não poder tudo te ensina a ter consideração por aqueles que podem menos ainda. Tipo ter você.

Sim meu caro, você pode não acreditar mas tem gente nesse mundo te querendo. Ou melhor, tinha, antes de você virar militante, frequentar o baixo nível e declamar poemas do Pessoa (sem ninguém pedir, que fique claro!).

Na real, nada deixa a gente mais Down do que uma rejeição. Pior ainda são aqueles "melhores" amigos que tentam fazer você tirar disso um aprendizado, te levar pra balada e te convencer a partir pra outra. Ah, senta lá Claudia!

Se isso te acontecer manda a balada pra merda e arrume um bom corpo pra esfregar na cara de quem te rejeitou. Você pode não ter tudo, mas nessa hora, se você tiver só este momento, vai tá de bom tamanho. Palavra de escoteiro.

O Troco.

Queria ser tantas coisas. Ser rico, bom de lábia, cinco centímetros mais pauz alto… Também gostaria de ter sangue frio para certas causas, principalmente as que você desiste depois que a cabeça esfria. Tipo se vingar de quem te fodeu.
Veja bem, não sou nenhum Mr. Vendeta. E acho que ninguém tem tempo pra isso. Mas já pensou que delícia seria se aquele chefe pilantra, aquele ex safado ou aquela amiga vigarista, recebesse o troco exatamente como você pensou?
Não falo de sangue, fratura exposta e morte (ou falo?). Digo em dar a mesma moeda para os que não tiveram pudor em passar por cima de você. Gentinha de lábia doce e alma cruel, que te mostrou que existe o lado negro da força.
No fundo, sabemos que a vida vai se encarregar dessa categoria. Mas se ela apressar as coisas para a gente poder saborear este momento, não seria nada ruim. Pois existem pratos que se comem frios, alguns mornos e outros quentes, beeem quentes.

PauLa Lasciva.

Alguma coisa se remexe desesperadamente no peito dela. A alma? Sua alma é perigosa, aventureira, laracroftiana. Conversa comigo de modo obsceno, no meu sexo (não confundir com coceirinha).
É da natureza da sua alma querer descruzar as pernas para deixar respirar o botão de rosa orvalhado, vulgo xoxota molhadinha, oferecendo um passeio turístico para os dedos mais aventureiros. Repito, ela é lasciva.

Eu Não Te Amo.


Quando você partir, não pense que vou tentar fazê-la ficar.
E talvez quando você voltar, eu terei saido para encontrar outro caminho.
Afinal, depois de todo esse tempo que me tomou, você ainda é essa inútil que eu nem conheço.
Então pegue suas luvas e vá embora.
É melhor ir embora enquanto você pode.

Quando você partir, você deveria ainda sim voltar para dizer: "Eu não te amo como amava ontem".
Às vezes eu choro tanto por implorar, tão doente e cansado dessa violência desnecessária, mas, meu amor, quando te derrubarem no chão e te jogarem pra fora, é lá que você deve ficar.
Afinal, depois de todo o sangue que me tomou, um dólar a mais é só outro golpe.
Então dê um jeito em seus olhos e levante-se, é melhor se levantar enquanto você pode.

(My Chemical Romance)